sábado, 31 de dezembro de 2011

A ETERNIDADE DE DEUS


A Bíblia afirma claramente a eternidade de Deus. Os termos "eterno", "perpétuo" e "para sempre" são frequentemente empregados pelos tradutores da Bíblia na tentativa de captar o sentido das expressões hebraicas e gregas que colocam Deus dentro de nossa realidade temporal e finita. As Sagradas Escrituras afirmam que Deus existia antes mesmo da criação. Aliás, a criação é justamente uma obra Dele: "Antes que os montes nascessem, ou que tu formasses a terra e o mundo, sim, de eternidade a eternidade, tu és Deus", Sl 90.2


Em Isaías 57.15, Deus se apresenta como Aquele "que habita na eternidade", o que significa que Ele está além do tempo.

Nós medimos a nossa existência pelo tempo: o passado, o presente e o futuro. Mas Deus não está limitado pelo tempo, e nem por isso deixou de se revelar dentro de nosso ponto de referência - o tempo - a fim de tomarmos conhecimento dessa revelação. Ainda que vejamos o tempo como uma forma limitada de medição, a plena compreensão da eternidade está além de nosso alcance. Todavia, podemos meditar sobre o aspecto duradouro e intemporal de Deus, e isso nos levará a adorá-lo como o Deus pessoal que estendeu uma "ponte" sobre o abismo que separava a sua essência - infinita e ilimitada - da nossa - finita e limitada.

A constatação da eternidade divina à luz da Bíblia deve nos levar naturalmente à adoração. Afinal, o Eterno, Aquele que habita em um Alto e Sublime Trono, nos ama a ponto de oferecer-nos a Salvação em Cristo. Portanto, que nossas palavras sejam as mesmas do apóstolo Paulo em sua Epístola ao jovem obreiro Timóteo: "Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus seja honra e glória para todo o sempre. Amém". 1Tm 1.17

Referência Bibliográfica:


Revista Resposta Fiel, ano 6, nº 22, DEZ - JAN- FEV/ 2007, Casa Publicadora das Assembleias de Deus, Rio de Janeiro, RJ.


Nenhum comentário:

Postar um comentário